Trump prepara a ordem para a expulsão maciça de imigrantes

22 fev

Donald Trump prepara seu novo ataque à imigração. Depois do baque judicial com o veto a sete países muçulmanos, o presidente dos Estados Unidos ordenou a elaboração de um vasto plano de ação contra os imigrantes em situação irregular.

Acelerar e ampliar as expulsões imediatas, repatriar automaticamente os mexicanos flagrados na fronteira, recrutar milhares de novos agentes e até processar judicialmente os pais que trouxerem seus filhos fazem parte, segundo as minutas conhecidas, desse agressivo projeto. Com esse passo, Trump joga mais uma pá sobre o legado do Obama e poderá cumprir uma de suas mais desejadas e sombrias promessas: a expulsão maciça de imigrantes.

Os Estados Unidos, um país que cresceu com a imigração, estão prontos para bater a porta na cara do elo mais fraco. Se a política de Obama se concentrou na perseguição e expulsão dos imigrantes que tivessem cometido crimes graves, agora se prepara a abertura da temporada de caça a todos os que estiverem em situação irregular. Onze milhões de pessoas, metade delas vinda do México, podem começar a tremer.

A magnitude do golpe será conhecida em poucos dias. O presidente anunciou que divulgará sua nova ordem nesta semana. Nesse ínterim, Washington está em polvorosa. As minutas circulam por toda parte. Algumas foram desmentidas categoricamente, mas outras, como as publicadas no McClatchy e no The Washington Post, foram reconhecidas como documentos de trabalho. Nestas últimas, ainda que estejam sujeitas a mudanças, aparece o verdadeiro rosto do Governo Trump.

Essas redações preliminares indicam que a ofensiva será maciça. Para reforçar as agências dedicadas ao controle da imigração, o texto determina a contratação de 15.000 novos agentes, aumenta as competências policiais e recomenda uma maior colaboração com as forças locais.

Para a operatividade desse exército, o departamento de Segurança Nacional, nas mãos do general aposentado do Corpo de Fuzileiros Navais John F. Kelly, pretende aliviar as barreiras legais, em especial no capítulo mais executivo: as deportações imediatas. Até agora essa modalidade de expulsão se aplicava aos imigrantes que tivessem passado menos de duas semanas no país e estivessem a não mais de 160 quilômetros da fronteira. Mas as minutas indicam que se pretende anular os limites geográficos e estender sua aplicação a todos aqueles que estejam até dois anos em território americano. A esse enorme salto se acrescenta a repatriação automática dos imigrantes mexicanos flagrados na fronteira e o processo judicial dos pais que tiverem pago redes de traficantes para trazer seus filhos.

Fora desses planos fica o programa de Obama destinado a proteger os dreamers, os menores escolarizados que chegaram sem documentação aos Estados Unidos. Um sistema que permitiu outorgar permissão de trabalho a 750.000 imigrantes e que o próprio Trump reconheceu que será complicado liquidar. “A situação desses menores é muito difícil para mim, muito… porque eu amo essas crianças; eu mesmo tenho filhos e netos, e acho muito, muito difícil fazer o que as leis mandam. E todos sabem que a lei é dura”, disse no sábado durante seu comício na Flórida.

Mas além dos dreamers, o horizonte se escurece para o resto dos imigrantes. Trump sabe que sua base eleitoral, de maioria branca e operária, os vê como competidores. Nas outrora poderosas zonas industriais, agora flageladas pelo desemprego e pelos salários baixos, o discurso do inimigo mexicano calou fundo. E o presidente, consciente de seu mau momento nas pesquisas, busca um golpe de efeito contra os migrantes para manter o apoio dos seus simpatizantes.

“Teremos fronteiras fortes outra vez. Os criminosos, as pessoas más, vão para a prisão. Mas a maioria vai embora daqui. Vamos mandá-los para o lugar de onde vieram!”, prometeu Trump a suas bases. As regras para levar adiante esse plano estão muito perto de vir à luz. Serão divulgada nesta semana. Por enquanto, já se escutam os sinos do ódio.

Fonte: El País

STF decide não compartilhar com Moro menções a Sarney em delação

22 fev

Por 4 votos a 1, a Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta terça-feira, 21, que as menções ao ex-presidente José Sarney (PMDB-AP) feitas pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em delação premiada devem ficar na Suprema Corte, não devendo ser compartilhadas com o juiz federal Sérgio Moro.

Foi a primeira vez que o ministro Edson Fachin foi voto vencido em processos da Lava Jato desde desde que assumiu a relatoria dos casos relacionados à investigação.

Em seu acordo de colaboração premiada, Machado afirmou que, durante o período em que comandou a Transpetro, foram repassados à cúpula do PMDB pouco mais de R$ 100 milhões de propina paga por empresas contratadas — do total, R$ 18,5 milhões teriam ido para Sarney, sendo R$ 2,25 milhões em doações oficiais entre 2010 e 2012 (R$ 1,25 milhão da Camargo Corrêa e R$ 1 milhão da Queiroz Galvão).

“Compartilhar informações não significa desmembrar (as investigações) ou atribuir competência”, disse Fachin, ao votar favoravelmente à troca de dados com a primeira instância.

Os ministros Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Celso de Mello, no entanto, votaram em sentido contrário.

Para Celso de Mello, a remessa de cópias a Moro poderia permitir que o juiz federal iniciasse investigações penais sobre os mesmos fatos que já estão sendo investigados sob supervisão do STF.

“No fundo, a determinação de compartilhamento de tais subsídios informativos, com respectivo encaminhamento a um outro órgão judiciário situado no primeiro grau de jurisdição, a mim me parece que se mostra um comportamento ainda prematuro em termos de investigação criminal”, observou Celso de Mello.

Lewandowski concordou com Mello. “Nesse primeiro momento, é possível que possa haver prejuízo para as investigações o desenvolvimento de distintos inquéritos em várias instâncias. Nesse momento, nós temos vários senadores (sob investigação) e o agravante implicado (Sarney) em uma mesma delação, e é de todo conveniente pelo menos por ora que se mantenha essa questão no STF”, disse Lewandowski.

Quanto ao compartilhamento, entendo que esse só se dá quando já houver uma ação penal aberta contra uma determinada pessoa. Compartilhamento de dados em abstrato para que algum juízo possa eventualmente encontrar algo de ilícito e assim oficiar o Ministério Público, isso a meu ver não se mostra possível”, completou Lewandowski.

O ministro Gilmar Mendes também aderiu à divergência, ao entender que o “mais adequado” seria a manutenção das investigações contra Sarney no STF, por estarem relacionadas a fatos que envolvem outros membros do PMDB, como os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Romero Jucá (PMDB-RR), ambos com foro privilegiado.

“A cisão subjetiva me parece incompatível com os rumos que os procedimentos tomaram, redundando na instauração de procedimentos paralelos”, ponderou Gilmar Mendes. “O mais adequado me parece a manutenção das investigações contra o agravante (Sarney) nessa Corte”, concluiu Mendes.

 

Fonte: Estadão

Empreendedorismo na produção da agricultura familiar

20 fev

O Governo do Maranhão, com o Plano Mais IDH, já mudou a vida de milhares de maranhenses que, por várias décadas, foram penalizados com a falta de acesso às políticas públicas e ainda sem acesso aos direitos básicos. Agora, as famílias atendidas pelo Plano nos 30 municípios com Menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) vivem um novo momento. As ações desenvolvidas pelo Sistema SAF (AGERP / ITERMA / SAF), que levam conhecimentos na área de produção e assistência técnica, estão mostrando uma nova visão às famílias: a visão do empreendedorismo.

Dona Maria Nunes Pereira, de 57 anos, moradora do povoado Belo Monte do município de São Francisco do Maranhão, a 603 km da capital, foi contemplada com a criação de frangos e produção de hortaliças. “Comecei com 40 frangos. Com a primeira remessa eu me alimentei bem com minha família. Com a segunda parte do fomento eu investi novamente em aves e ainda vendo os ovos. O meu objetivo é vender os pintos porque um ovo, eu vendo por R$ 0,50 e os pintos vendo a R$ 3,50”, pontuou dona Maria.

 

 

Os técnicos do Mais IDH que acompanham a família vão construir uma chocadeira artesanal para que dona Maria possa expandir. Depois da chocadeira construída, dona Maria já estará com um novo empreendimento em pleno funcionamento, já que o ciclo de produção dos pintos é de 22 dias.

Já em Aldeias Altas, no leste do Estado, uma família composta por dois agricultores familiares, seus quatro filhos e muitos sobrinhos, todos criados com o suor da agricultura familiar na dura realidade do povoado Cajazeiras, também despertou para novas formas de empreender seu negócio. Dona Antônia Sobrinho, que trabalha na terra há muitos anos, comentou que sente bem as diferenças. “Nossa vida nunca foi fácil e o pouco que a gente plantava e colhia dividia para todos nós. A gente sempre trabalhou com a terra e é diferente ver como nossa safra mudou. Antes a gente comia o que plantava e colhia e por isso nunca passamos fome. Mas hoje a gente consegue produzir mais e aprendemos a comercializar, fazer renda com o nosso maxixe, quiabo, hortaliças e futuramente pensamos em vender os peixes que ainda estão pequenos e aves. Todos esses produtos são fruto do nosso trabalho e temos  orgulho de ter na nossa terra. Somos abençoados por tudo isso que se abriu na vida da gente”,  comenta, emocionada, a dona Antônia, que tem a família abarcada pelo Plano Mais IDH.

Para o Secretário de Agricultura Familiar do Estado, Adelmo Soares, o Governo Flávio Dino trabalha para quem mais precisa e que o Sistema SAF atua de forma articulada com suas vinculadas (Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural- AGERP e Instituto de Colonização e Terras do Maranhão – ITERMA). O objetivo é proporcionar aos agricultores familiares do Maranhão dignidade e qualidade de vida. “Além do acompanhamento técnico, os agricultores dos municípios amparados pelo Plano Mais IDH estão recebendo barracas com estrutura adequada para comercialização e capacitação sobre gestão e higiene. Nós os acompanhamos desde a assistência técnica até comercialização. Os municípios de Governador Newton Bello e Santa Filomena foram os primeiros municípios do Plano a comercializar o excedente da produção. Com assistência técnica permanente e contínua dos técnicos da AGERP, os agricultores, antes absolutamente esquecidos, começaram a transformar sua vida. Recebem fomento, produzem e agora começam a empreender. É essa transformação que estamos realizando na Agricultura Familiar do Estado do Maranhão”, enfatizou Adelmo Soares, Secretário da SAF.

Segundo o presidente da AGERP, Júlio César Mendonça, os técnicos que acompanham as três mil famílias, já instalaram 2.337 Sistemas Integrados de Tecnologias (SISTECS), sendo 507 Sisteminhas (Tecnologia da EMBRAPA, que consiste na criação de aves e peixes, cultura de hortaliças e produção de minhocário). Além disso, já foram cadastradas mais 5 mil famílias abarcadas pelo Acordo de Cooperação técnica (ACT), firmado entre Sistema SAF e Ministério de Desenvolvimento Social e Agrário – MDSA, que irá atender mais seis mil famílias, totalizando nove mil famílias atendidas.

 

Pano Mais IDH – Abrangendo os 30 municípios com menor Índice de Desenvolvimento Humano do Maranhão, o Plano Mais IDH foi anunciado pelo Governo do Estado como uma ferramenta para promover a redução da extrema pobreza e das desigualdades sociais no meio urbano e rural, combatendo o déficit de justiça social, além de provocar e estimular o debate sobre matriz de desenvolvimento, territorialidade e planejamento participativo.

Os 30 municípios da área de abrangência do Plano Mais IDH são Afonso Cunha, Água Doce do Maranhão, Aldeias Altas, Amapá do Maranhão, Araioses, Arame, Belágua, Brejo de Areia, Cajari, Centro Novo do Maranhão, Conceição do Lago-Açu, Fernando Falcão, Governador Newton Bello, Itaipava do Grajaú, Jenipapo dos Vieira, Lagoa Grande do Maranhão, Marajá do Sena, Milagres do Maranhão, Pedro do Rosário, Primeira Cruz, Santa Filomena do Maranhão, Santana do Maranhão, Santo Amaro do Maranhão, São Francisco do Maranhão, São João do Caru, São João do Sóter, São Raimundo do Doca Bezerra, São Roberto, Satubinha e Serrano do Maranhão.

Dentre os 23 projetos do Mais IDH atualmente desenvolvidos nas áreas de educação, saúde e qualidade de vida, produção, renda e gestão, cidadania e participação social, destacam-se o Programa Escola Digna, a Força Estadual de Saúde (FESMA) e os Sistemas Integrados de Tecnologias Sociais (SISTECS ou Sisteminhas) da Agricultura Familiar.

COMEÇOU! O 1º Liquida Caxias Shopping Center tem descontos de até 50%

17 fev

A imagem pode conter: 1 pessoa, sorrindo, texto

 

O Caxias Shopping Center promove a primeira liquidação do ano. Dos dias 15 a 22 de fevereiro, as lojas estão com ofertas imperdíveis que chegam até 50% de descontos. A campanha não é voltada apenas para moda, mas para todos os segmentos do shopping, ou seja, acessórios, calçados, perfumaria, eletrônicos e outros artigos com preços especiais.

Peças com grandes descontos estão disponíveis para os clientes. No 1° Liquida Caxias Shopping Center, a loja Alpha Geek, voltada para público nerd, está com chaveiros oficiais Dc e GOT de 60 reais por 40 e ainda chaveiro oficial Esquadrão Suicida de 25 por 15 reais.

Considerado o maior empreendimento comercial da região, o Caxias Shopping Center conta ainda com grande lojas, como: Noroeste, Via Mia, Ferrovia, Iupi!, Ótica e Relojoaria Hora Certa, Contém 1g, Uva & Verde, Douglas Tattoo, Smart Bordados, Salvatore Barbershop, Claro, Espaço da Beleza e Universo das Unhas, Use Moda Fitness, Coisas da Carolina Rod Store, Atual Informática, Márcia Cosméticos, Edna Confecções, Digicell, Acessorium, Bella Moça Acessórios e muitas outras.

O Caxias Shopping Center fica localizado na Rodovia BR-316 e funciona, diariamente, das 10h às 22h. No domingo, as lojas abrem a partir das 14h.

 

 

Vereador Sargento Moisés chama a atenção para a segurança do Carnaval 2017 de Caxias

16 fev

A imagem pode conter: 1 pessoa, em péNesta quarta-feira(15) o Vereador Sargento Moisés (PSD), ocupou a tribuna da Câmara Municipal para falar do seu requerimento em que solicita informações sobre a programação da Prefeitura para o Carnaval/2017, dados gerais sobre a logística a ser empregada e principalmente sobre a segurança em todos os locais em que se dará a cobertura por parte dos órgãos responsáveis.

Salientou ainda que é necessário o acompanhamento dos Vereadores aos serviços e eventos de responsabilidade da Prefeitura e de órgãos parceiros a fim de, eventualmente, poderem atuar como interlocutores entre o cidadão que participa da festa e os chefes de órgãos públicos e entidades envolvidas, chegando, inclusive a solicitar o contato telefônico dessas autoridades.

Dois locais de folia foram citados pelo Vereador para demonstrar a preocupação da gestão municipal com relação à segurança e organização: o Balneário Veneza e o “Cantafolia”, realizado todos os anos, mas este último até o momento não está confirmado pela organização do evento em virtude de solicitação expressa do Bispo da cidade que é contrário à realização do evento na Praça Vespasiano Ramos. A referida autoridade eclesiástica pede para cancelar qualquer evento carnavalesco naquele local. Porém, segundo o Vereador, está sendo articulada uma reunião com o Prefeito Municipal, Sr. Cantarele (organizador do Catafolia) e o Bispo Dom Wilson Basso para os próximos dias a fim de chegarem a um acordo ou baterem martelo quanto a não realização do evento.

Vale ressaltar que o Vereador Sargento Moisés tem experiência comprovada em eventos dessa natureza e pode contribuir de forma determinante para o sucesso do evento se ouvido a respeito das estratégias para o trânsito, meio ambiente e segurança pública.

 

ASCOM/VER. SARGENTO MOISÉS

Governo do Estado realiza primeira reunião de mobilização da Agritec do Território Sertão Maranhense, em Paraibano

16 fev

Conhecido como a capital brasileira da abóbora, Paraibano distante a 518km de São Luís, sediará a primeira Feira de Agricultura Familiar e Agrotecnologia do Maranhão- Agritec, nos dias 06 a 08 de abril. Na manhã desta quarta-feira (15), comitiva do governo do Estado e parceiros reuniram na Câmara municipal, em Paraibano, para realizar a primeira reunião de planejamento, mobilização e organização da Agritec do Território Sertão Maranhense.

A região tem um povo forte e trabalhador, onde o maior orgulho da população é a produção de abóbora. O cultivo dessa hortaliça fruto, rica em vitamina A, vem sendo a maior fonte de renda de pequenos, médios e grandes produtores que exportam para os estados do Rio de Janeiro-RJ, Salvador/BA, Recife-PE, Maceió- AL, Teresina-PI e São Luís/MA.

Um estudo realizado pelo Sebrae- MA, apresentado no município de Colinas ano passado, identificou nova área produtiva no Maranhão. Trata-se do Polígono da Abóbora que engloba os municípios de Colinas, Paraibano, Buriti Bravo, Passagem Franca, Sucupira do Norte, Pastos Bons, São João dos Patos, Lagoa do Mato e Mirador, envolvendo mais de 2 mil famílias em assentamentos rurais, áreas quilombolas e propriedades rurais de pequenos porte. Nessa região são comercializadas mais de 12 mil toneladas por ano, mas a produção total estima-se em 24 mil toneladas anuais.

“A realização da Agritec nesse território vai fortalecer ainda mais a cadeia produtiva da abóbora e outras culturas como o abacaxi bastante cultivado em São Domingos do Maranhão e a produção de cachaça em Paraibano. Além disso, vamos proporcionar conhecimento para que o agricultor possa desenvolver outras culturas como produção de frutas, criação de pequenos animais e, com tecnologias simples possa gerar renda e ter qualidade de vida”, pontuou Chico Sales, secretário adjunto de organização produtiva e comercialização da Secretaria de Estado da Agricultura Familiar.

Segundo o coordenador da Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar do Estado do Maranhão- FETAEMA da região, Edison Francisco Barbosa, a expectativa do agricultor na Agritec é realmente adquirir conhecimento e ser estimulado a produzir com mais empenho, porque 60% do alimento que chega na mesa dos maranhenses é da agricultura familiar. “Acredito que nós vamos reanimar nossos agricultores familiares, porque tínhamos um período de muita produção mas não tinha mercado, hoje temos mercado como o Programa de Aquisição de Alimentos – PAA e Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE e não temos produto. Então nosso agricultor vai buscar na Agritec conhecimentos sobre esses canais de comercialização e conhecimentos para produção com qualidade”, concluiu.

“Com a realização da Agritec temos a expectativa da dinamização do território e esperamos que o conhecimento adquirido na Feira, o agricultor possa aplicar em sua produção. O Sebrae se coloca à disposição dos agricultores durante e após a Agritec para fortalecer, por meio de consultorias, as cadeias produtivas da região”, enfatizou Mauricio Lima gerente do Sebrae da Regional de Balsas.

Para o gestor Regional da Agerp de São João dos Patos, Ednaldo Quirino, a Feira é diferente de outras feiras agropecuárias, a Agritec é direcionada para que o agricultor familiar tenha acesso a diversos conhecimentos relacionados à produção agrícola. É formada por espaços tecnológicos com demonstração de pequenas alternativas de cultivo viáveis para o produtor, oficinas, palestras, cursos, comercialização de produtos cultivados por agricultores dos municípios da região, dentre outros atrativos

Durante a reunião da comissão de organização estavam presentes a coordenadora da Feira e superintendente de comercialização da SAF, Marilene Bandeira que conduziu a reaunião, Diretor de pesquisa da Agerp José Malheiros, representando o prefeito de Paraibano Zé Hélio, Railton Sousa e representantes de 13 municípios da região: Paraibano, Colinas, Pastos Bons, São João dos patos, Balsas, Presidente Dutra, Nova Iorque, Sucupira do norte, Mirador, Buriti Bravo, São Domingos do Azeitão, Passagem Franca, Lagoa do Mato e instituições de ensino como Uema, IFMA, além da Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão – Aged e movimentos sociais.

A Agritec é uma realização do Governo do Estado do Maranhão, por meio do Sistema da Agricultura Familiar, composto pela Secretaria de Agricultura Familiar (SAF), a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e de Extensão Rural do Maranhão (Agerp) e o Instituto de Colonização e Terras do Maranhão (Iterma). Acontece por meio de parceria com Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) Cocais, Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), movimentos sócias (FETAEMA, MST, ACONERUQ, MIQCB E FETRAF-MA) e Prefeitura do município onde o evento é sediado.

 

Magno Magalhães faz apelo pela educação de Caxias e Repóter Puliça dá outra bola fora na câmara

16 fev

O vereador Magno Magalhães utilizou o grande expediente desta quarta(15), para falar sobre um dos grandes problemas da cidade de Caxias, a Educação.

Em seu discurso, o parlamentar disse que educação em Caxias está deixando a desejar. Porém, não é um problema apenas de Caxias. Já que em vários Estados sofrem com o mesmo problema e o Estado do Ceará é o único que se destaca, com 77 escolas no ranking das 100 melhores do Brasil.

Qual seria então o problema? Não adianta apenas construir grandes escolas e não investir no principal, que é a qualificação e valorização dos profissionais envolvidos. Com professores e profissionais da educação valorizados, o ensino só tende a melhorar e o rendimento dos alunos com certeza irá subir.

Citando Monteiro Lobato, o vereador Magno Magalhães disse: “Um país se faz com homens e livros.”, ou seja, é preciso investir na melhoria do ensino. Não é uma realidade impossível, é apenas um trabalho maior e precisa de um envolvimento maior dos responsáveis. Pedindo apoio aos seus colegas de mandato, Magno disse que era preciso empenho e compromisso do poder público, para que a educação fosse levada realmente a sério na cidade de Caxias.

O Vereador Repórter “Puliça” pediu a palavra, quando de repente, começa a fazer um discurso totalmente sem noção e trazendo um assunto da sessão passada, onde Magno tinha dito que não acreditava que o Presidente da Assembleia estaria impedindo que o Governador Flávio Dino enviasse recursos para Caxias. O vereador insinuou que isso está sim, acontecendo e que todos tinham consciência disso.

“Puliça” falou ainda sobre o asfalto de Caxias e disse que o asfalto colocado pelo ex-prefeito Paulo Marinho, ainda está intacto e que o grupo Coutinho não colocou asfalto de qualidade, dizendo que seu colega Magno Magalhães mentiu ao dizer que o asfalto não é um problema só da cidade de Caxias. Gladston vem sendo muito agressivo com as palavras e sendo irônico com os colegas de tribuna, chegando até a desrespeitar os outros vereadores.

Retomando seu discurso, o vereador Magno visivelmente irritado, por ter sido chamado de mentiroso, rebateu seu colega. Dizendo que Repórter “Puliça” agiu de forma infantil e falando o que todos já tinham notado, que o discurso do parlamentar é partidário e apaixonado. Magno disse que não é por ser líder do Governo na bancada, que vai abaixar a cabeça para problemas que devem ser mostrados e viver de atacar o governo anterior.

Sendo bem sensato, o vereador disse que não está lá para ser vassalo de ninguém, está lá para representar o povo e que é isso que seu colega está esquecendo. Não adianta fazer um discurso para seu grupo e esquecer os problemas causados pelo mesmo. O mandato é algo sério e deve ser feito com responsabilidade, respeito e atenção.

Fazendo uma breve analogia, Magno explicou que assim como o Prefeito de Caxias é o Fábio Gentil e que o Presidente da Câmara é o vereador Catulé e cada uma comanda sua pasta. Da mesma forma, deve ser no Governo do Estado, já que Flávio Dino é o Governador e Humberto Coutinho é o Presidente da Assembleia. Um não comanda o outro, existe uma autonomia. Porém, se acontece, então, seria fraqueza do Governador. Encerrando seu discurso, Magno Magalhães falou sobre a importância da união de situação e oposição para favorecer a população caxiense e nada além disso.

Pesquisa aponta possível cenário político na corrida entre presidenciáveis

15 fev

Se as eleições presidenciais fossem hoje, o ex-presidente Lula venceria a disputa com os demais adversários, segundo pesquisa CNT/MDA divulgada nesta quarta-feira pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT).

De acordo com o levantamento, Lula apresenta hoje 30,5% das intenções de votos contra 11,8% de Marina Silva; 11,3% do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

O senador Aécio Neves (PSDB-MG) aparece apenas em quarto colocado, com 10,1%. Ciro Gomes (PDT-CE) tem 5% e o presidente Michel Temer conta com 3,7%.

A soma de branco/nulo ou indecisos chega a 27,6%. Esses valores têm como base a consulta de intenção de voto estimulada, quando os nomes dos candidatos são apresentados aos entrevistados.

No cenário de consulta espontânea, quando não é apresentado nenhum nome aos entrevistados, Lula também lidera com 16,6% as intenções. Neste caso, Bolsonaro aparece em segundo com 6,5% e Aécio Neves em terceiro, com 2,2%. A soma de branco/nulo ou indecisos chega, contudo, a 67,8%.

“O presidente Lula ganha hoje em todos os cenários. Se as eleições fossem hoje, facilmente seria eleito como presidente da República. Há também um crescimento bastante significativo do Jair Bolsonaro, que mostra esse nicho de pessoas que pensam de forma diferente da média”, afirmou o presidente da CNT, Clésio de Andrade.

Na avaliação dele, também pesa a favor de Lula o fato de a pesquisa ter sido realizada num período em que a Dona Maria Letícia, esposa do petista, havia falecido. “Não tem dúvida. Estamos chegando à conclusão de que todos os aspectos pesaram. O passionalismo, a comoção e provavelmente alguma coisa de saudade dos bons tempos do Lula”, considerou.

A pesquisa foi realizada entre os dias 8 a 11 de fevereiro. Foram ouvidas 2.002 pessoas, em 138 municípios de 25 unidades federativas, das cinco regiões. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais com 95% de nível de confiança.

 

Fonte: Estadão

Governo do Maranhão reúne-se com SEAD em Brasília

15 fev

 

Nesta terça-feira (14), comitiva do Governo do Estado, formada pelos secretários Adelmo Soares (SAF) e Simplício Araújo (SEINC), além da prefeita de São João do Sóter, Joserlene Silva, estiveram em Brasília onde reuniram-se com membros de diferentes áreas técnicas da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (SEAD).

O objetivo do encontro foi dialogar sobre as principais demandas para a agricultura familiar maranhense, buscando alavancar o desenvolvimento do setor no Estado.

Para o secretário Executivo Adjunto da SEAD, Jefferson Coriteac, o encontro reitera a abertura da SEAD para a agricultura familiar de diferentes regiões do país. “Essa agenda foi fruto de uma visita que fizemos ao Maranhão em dezembro, na qual foi assinado um Acordo de Cooperação Técnica com o governador Flávio Dino. Agora faremos uma análise técnica e orçamentária do documento”, completou o secretário adjunto Jefferson.

O secretário da SAF, Adelmo Soares, reforçou que o encontro, além de promover o diálogo e luta por conquistas para o Maranhão, demonstra também a atuação do Governo do Maranhão junto aos municípios. “A parceria entre as esferas públicas (Federal, Estadual e Municipal) só tem a favorecer nosso Maranhão, pois lutando juntos, poderemos caminhar mais longe na rota da transformação”, frisou o secretário de Estado da Agricultura Familiar.

MAIS AGRICULTURA FAMILIAR

Temas como estradas vicinais, poços, assistência técnica e patrulhas mecanizadas também foram pauta da reunião. As solicitações foram colocadas pela prefeita Joserlene Silva e o secretário Adelmo Soares, como ações para o desenvolvimento da região dos Cocais, em especial o município de São João do Sóter, que está entre os 30 municípios do Plano “Mais IDH”.

Na ocasião, a prefeita reforçou que a parceria e o diálogo entre o Governo do Estado e os municípios tem favorecido ações integradas e significado novos tempos. “É uma honra participar de um momento como este e estar junto com os secretários lutando por mais conquistas para São João do Sóter, o nosso município só tem a crescer e se desenvolver ainda mais”, apontou a prefeita Joserlene Silva.

 

 

Magno Magalhães alerta sobre a saúde de Caxias e cobra mais empenho dos colegas parlamentares

14 fev

A imagem pode conter: 1 pessoaUm dos grandes problemas que a cidade de Caxias está passando é a falta de uma saúde de qualidade. Tanto nos hospitais, quando nos postos de saúde. Não é de hoje que os problemas da saúde vêm atormentando o município. Sendo palco de escândalos no cenário nacional. Já está mais do que na hora de mudar isso.

O vereador Magno Magalhães utilizou a tribuna para falar sobre a urgência com que a saúde deve ser tratada. Caxias, uma cidade que atende mais de 40 municípios e não recebe benefícios para dar o suporte necessário. Como médico, Magno conhece as demandas da cidade e fala com propriedade.

Magno também citou o fato da situação utilizar em seu discurso, o argumento de que o Presidente da Assembleia Legislativa, o Deputado Humberto Coutinho, estaria se impedindo que as verbas da saúde fossem destinadas para a cidade de Caxias. O parlamentar disse não acreditar nesse fato, porém, cobrou que a casa do povo se unisse e cobrasse explicações e que dialogassem com o Governador.

Agora é esperar que os parlamentares deixem discussões alheias à cidade, fora da pauta e busquem melhorias para a cidade. A população de Caxias que tem potencial para ser modelo de saúde, só basta responsabilidade das partes responsáveis.

Vamos aguardar o andar da carruagem e ver a mudança tão prometida para a Princesinha do Sertão.